quarta-feira, 19 de agosto de 2009

13 de agosto de 2009

O poder da insônia...
Estou aqui a olhar meu passado e encontrei isto e resolvi voltar com o diário.

Escreverei sobre a aula do dia 13, a última que tive.

Bem, antes de registrar qualquer coisa, vale ressaltar que estive quase a desistir do estudo do violino por um longo tempo, até que algo, que só posso considerar como influência divina, me fez querer mudar o rumo e fazer as pazes não só com o violino, mas com a música de uma forma mais ampla. Isso não faz muito tempo, mas desde então, estudar tem sido mais do que uma vontade e uma obrigação. Tem sido realmente um motivo de deleite. E tenho visto resultados.

Mesmo nessa época conturbada, a qual pouco estudei, pouco me dediquei, vi melhoras que não via no período de estudo, como uma concepção musical mais madura, um som mais interessante, o vibrato parece finalmente estar soltando, e a afinação está chegando aos poucos.

É incrível o que um descanso sóbrio pode fazer.

Sobre a última aula, recebi um ultimato do tipo "acabou a brincadeira".
Percebi que o nível que será exigido de mim será algo próximo ao extratosférico, levando em conta o que eu exigia de mim mesmo. Não preciso dizer que adorei isso.
Uma série de circunstâncias externas têm me feito cada vez mais querer me dedicar, não sei bem explicar o que foi que virou esse jogo, mas que bom que a vontade veio, não questionarei, somente farei a minha parte para que a mesma se mantenha.

Então foi-me exigido simplesmente que em cada aula as coisas chegem em nível de concerto.
Não preciso mais relatar nada da aula.
Os próximos relatos serão mais frescos, então, mais cheio de detalhes, os quais irão me interessar no futuro para que eu esteja sempre atento.

Infelizmente esquecemos rápido... Ás vezes, mais rápido do que aprendemos.

quinta-feira, 17 de maio de 2007

17 de maio de 2007

Olá, venho mais a dar satisfações do que postar mais um dia.
Claro que são satisfações atrasadas (um mês...)

A questão é que em um dia de loucura resolvi desfazer-me da posse de meu computador (relato aqui pelo fato de esta ter em muito a ver com o violino).
Ainda não vi muito efeitos positivos disto, mas estou começando a me organizar melhor.
E transferi meu diário de violino para um caderno "não-virtual".

Bem... É só isso... Desculpe a todos (se é que alguém vê isso aqui), mas vão ficar na curiosidade mesmo.

segunda-feira, 16 de abril de 2007

16 de abril de 2007

Vou ser mais objetivo...

De fato, não consegui enganar o professor.
A aula foi ótima, mas eu não toquei nada bem.
Mas foi produtivo, pois descobri as coisas que devo melhorar.
Alexandre foi claríssimo na aula quanto ao que ele quer.
Descobri um pouco do que fazer em Bach (estava completamente perdido).
Vou ter que restudar tudo... Só me foi liberado o Kreutzer no. 3, ficando para estudar somente os trechos onde começam ocorrer as diversas mudanças de posição para o agudo e a descida.
Do Kreutzer no. 2, tenho que estudá-lo com as variações de arco B, C e D da minha edição.

A Sarabanda da Partita no. 1, devo estudá-la sem vibrato e tocando os baixos sem segurá-los pelo tempo determinado, tocando só como se o valor fosse da nota de cima.

A giga, bem... Não faço idéia de como eu a estudei, estava péssima.
Tenho que organizá-la ritmiticamente e na divisão de arcos. Mantê-la dentro de uma rigidez ritmitica, deixando-a dança (giga...) afinada, valorizando todas as notas, fazendo a condução de fraseado.

Alexandre pediu para que eu aumentasse a densidade do som, mais contato, e não fazer movimento de dedo na mão direita sistematicamente, porque isso está estragando o som.
Ter um som mais consistente, com substância, mesmo no piano.

Ele disse que fiz progressos com a mão esquerda.
Mas mesmo assim, me sentia completamente desafinado (o que ele negou por educação).

Na aula ele tentou me consolar dizendo que tenho progredido rápido, mas sendo verdade ou não, ainda assim não me consola e não me tira da cabeça a idéia de que tenho que estudar muito mais e mais concentrado ainda para poder não submeter Alexandre ao ridículo novamente na semana que vem.

Tenho que me concentrar em entender a Giga. Claro que isso não sera algo torturante, porque aí já nem conseguirei estudá-la...
Mas primeiramente estudar com variações de acentos, variações rítmica, para me dar segurança e organização. E tenho que estudá-la pensando no som, e em tocar TODAS AS NOTAS. Como pode algo tão básico ser tão difícil. Tocar todas as notas já me pareceu mais fácil.

Mas quando penso que metade (e estou sendo bondoso com o fato da minha anti-musicalidade) das notas não passam de ruídos... As coisas se tornam mais complicadas.
Mas o progresso está acontecendo.

Espero na segunda que vem, que a história seja outra. E que tenha o que ser falado na aula, mas que não seja estas besteiras básicas que eu já deveria saber. Puro erro meu no estudo. Um aluno vai pra aula com algo pronto para ser trabalhado, amadurecido, aprimorado. Não para ter que ficar errando nota e consertando, afinando, colocar cada nota no tempo certo. Já não sou mais criança.

Bem... Tenho muito trabalho a ser feito. Hoje estudei somente uma hora.
A primeira hora do dia. E ainda foi muito mal feita.
Depois da orquestra "estudei" mais uma hora, mas foi só um aquecimento para a aula.
E depois da aula, "estudei" quase uma hora. Mas não rendeu nada, antes não tivesse estudado e ter ido beijar na boca um pouco, ler um livro, ver tv, jogar video-game, ir pra praia, dormir.
Teria crescido em outros aspectos sem correr o risco de regredir no violino.

De fato deveria forçar a barra em tentar estudar concentrado, mas não estava conseguindo. Frescura como sempre.
Amanhã não tem desculpa. Hoje ainda foi o dia da aula, o que nem é lá muita desculpa, mas amanhã é imperdoável.

Obs.: Prestar atenção nas semicolcheias com mudança de corda sem perder as notas. E sem estragar o som com movimento de dedo (usar o segundo dedo travado em cima do arco).

domingo, 15 de abril de 2007

15 de abril de 2007

Estou aproveitando para postar por hoje e por ontem (e por sexta-feira).

Ontem estudei em todo tempo livre que tive. Claro que também descansei, mas tentei concentrar-me no estudo. Mesmo assim, o tempo livre que tive passou longe do tempo que eu precisava, o mesmo aconteceu na sexta-feira.

Não preciso falar que o desespero tomou conta de mim, aula na segunda, a sexta se acabou e nada de chegar perto de algo apresentável ao professor. No sábado o mesmo se repete...
Hoje resolvi tirar o dia para preparar tudo a qualquer custo. Fiz 5h de violino conscientes, creio que é a primeira vez que alcancei isto. E ainda alternei caminhada e corrida por uma hora. O que me deu mais disposição para estudar as duas horas que faltavam para alcançar o meu objetivo. Tenho que me lembrar desta tática.

Senti dores diferentes normalmente após o estudo, pela tarde o dedo mindinho da mão esquerda parecia realmente bem machucado. Depois a mão direita parecia muito tensa, inclusive estou percebendo que está longe de ter a mesma flexibilidade da mão esquerda, e percebi isso nos alongamentos.
Parei constantemente no meio das sessões de estudo (uma hora) para alongar, porque a mão já parecia dura e rebelde. Devo estar bem tenso. Porque não acho comum ter que parar de 20 em 20, 30 em 30 minutos para alongar e relaxar.

Bem... parar um pouquinho de tocar e sacudir o corpo ainda é normal, mas ter que alongar devido aos dedos já parecerem meio presos, não sei se é normal, nunca fui de estudar grandes quantidades de tempo.

Bem, o engraçado é que no final do dia não tenho sentido dores nenhuma, as últimas horas foram bem tranqüilas, creio que as dores não são tão frutos da tensão (apesar de eu realmente estar tenso), mas sim do fato de eu ter sido muito mole a vida inteira, vou precisar acostumar um pouco o psicológico e o físico.

Estudar com protetor de ouvido (só no ouvido esquerdo) tem me dado mais disposição para estudar, realmente o barulho me deixava tonto e com dor de cabeça o que me deixava realmente preguiçoso para o estudo.
E acho que o que ouço é um pouco mais próximo do que o público ouve. Sem aqueles ruídos que só o violinista ouve... Só tenho medo de sujar o som mas vou pesquisando e gravando para ver o resultado sonoro.

Enfim... Consegui terminar tudo que deveria hoje, pelo menos acho que decorei tudo ao estudar, o velho método cada linha 7 vezes e o que não tivesse saindo, dar uma atenção mais especial.

Queria ter feito isso a semana toda... Mas ver que consegui dominar tudo em 3 dias só (e o estudo no. 3 de Kreutzer, li a primeira vez hoje).
De fato foi uma péssima semana. Mas ok. Pelo menos estou voltando mais decidido e aprendi a lição.
A giga da partita no. 3 é o que ficou menos seguro, é claro que nada está perfeito, afinal, não ia alcançar algo que faria na semana inteira todos os dias, em um dia só. Mas o dia de hoje me adiantou o que eu faria em uns 3 dias na semana.

Vou ver o que posso fazer amanhã até antes da aula.
Fui bastante discplicente com a Sarabanda da partita no. 1 também, mas hoje a estudei com a voluta na parede, bem lentamente, aplicando o vibrato que Alexandre pediu que eu fizesse nas notas longas (geralmente corda dupla), um vibrato bem lento e relaxado, de pulso. Ficou algo bem etéreo, rãoeriaoireaoiroãire. É meio torturante para os vizinhos, mas pensar no coletivo nestes momentos pode me custar a carreira.

Estou só meio inseguro quanto aos arcos, acho que consigo automatizar isso amanhã.
Espero que esteja fazendo tudo de acordo com o que Alexandre quer, porque estudar errado é pior do que não estudar, ao menos para mim.

Enfim, preciso dormir para assimilar o estudo de hoje e descansar para o estudo de amanhã.

Preciso estudar ao menos 3h por dia, mas queria aumentar. 5h no domingo me pareceu suficiente. E graças a Deus, tenho um sábado para guardar. Preciso encontrar tempo para fazer exercício físico diário e também sair para dar risada, curtir um pouco, sou filho de Deus e humano.

É claro que é preciso saber os limites da diversão, mas também os do estudo.
Creio que irei matricular-me na natação amanhã e talvez na musculação também.

Vou ver o que faço.
Amanhã pretendo estudar tudo para a aula, como uma revisão, passar tudo e tentar automatizar tudo sem interrupções e só olhar os trechos meio inseguros individualmente.
Espero que o que eu fiz hoje fique para o amanhã.
E já adiantar o que for passado na aula, dar uma boa lida em tudo, automatizar os dedilhados, para poder estudar de fato durante a semana sem muitas dificuldades com o fato de não ter muito conhecimento do que estou estudando. E já preparar as primeiras linhas de tudo. E ir progredindo aos poucos durante a semana. No domingo é o ensaio geral em busca da perfeição de tudo que terei que tocar na segunda, isso tem funcionado bem.
Espero não desanimar nesta semana, e caso isso aconteça, saber lidar com isso e estudar do mesmo jeito.

Hoje quando estava acho que na terceira hora, senti vontade forte de parar o estudo, isso foi logo no início da 3ª hora após o intervalo, mas não parei para ver se conseguia continuar... depois de 20 minutos estava no mesmo pique da primeira hora.

Tenho de fazer isso, o chato é quando já acordamos não querendo estudar, mas mesmo assim, acho que depois da primeira hora as coisas facilitam.

Tenho que me policiar na orquestra para tocar concentrado e pensando nos princípios e na téncica básica do violino.

quinta-feira, 12 de abril de 2007

12 de abril de 2007

Socorro, a semana em que mais precisava estudar fui acometido por total desânimo e esgotamento físico e mental. Preciso estudar mais... Na verdade, preciso estudar! E fazer exercícios físicos para ter disposição.

Tenho perdido todo o tempo... A semana está se finalizando e não fiz nada do que foi pedido.

Hoje dediquei todo meu estudo a Giga da partita no. 3 de Bach.
Está surtindo efeito, mas precisava estudar desta maneira desde segunda. E ainda tem todo o resto.
O Paganini foi esquecido, os exercícios de articulação também (coisa perigosíssima, da qual tratarei com muito carinho amanhã), o Kreutzer, tenho dado atenção, mas não a devida.

O estudo No. 3 parece uma leitura a primeira vista de um cego com próteses ao invés de braços.
O no. 2 já havia sido parcialmente trabalhado.
Tenho que dar uma ralada nele melhor. E o Urstudien... e o Schradieck... Estou negligenciado o que há de mais importante em meus horários que deveriam ser de produção...
Cuidado rapaz, caminha para a miséria. O mundo não é de fácil conquista.

Ao menos os exercícios de arco estou fazendo, e estou vendo progresso... Faço antes do ensaio da orquestra, chego cerca de 40 minutos antes pra fazer os exercícios.
Tem sido bom.

Preciso disciplinar-me e colocar a preguiça de lado, tenho tido um comportamente um pouco depressivo que me tirou realmente o ânimo, mas creio já te passado.
Convem agora dormir mais cedo para acordar mais disposto, e fazer exercício físico para renovar as energias.

Obs.1: VIBRATO! Isso não irá aparecer por um milagre.... Trabalhe!!!
Obs.2: Se você não trabalha o vibrato, apena então não comece um processo destrutivo permanente mantendo aquele mosquito estressado que você chama de vibrato. Se for para sair aquele troço, mantenha sua mão muito bem paradinha e toque uma nota afinada que é melhor que um mosquito, eu juro!

segunda-feira, 9 de abril de 2007

9 de abril de 2007

Bem, não sei o que de fato ocorreu, apesar de ter passado a semana como um idiota que não tem o que fazer e clama para morrer de fome em um futuro muito próximo, tive uma boa aula.
Uma aula que realmente gostei.

Acho que de fato sou alguém com uma inteligência, facilidade ou somente sorte fora do comum.

Comecei o trabalho de 3º dedo seriamente, no sábado a noite. E hoje já o sentia bem natural, claro que o dia de hoje foi definitivo, estudei todo o tempo livre que tive (exceto o tempo de leitura, que considero como hora de estudo) em cima deste problema de articulação. E senti a mão super mecânica na aula, não fazia esforço algum e os dedos caiam como se fossem motorizados.

Bem... É claro que eu não posso entender que 'pronto! agora eu consegui!'. Não é nada disso, e muito longe disso, por alguma cagada saiu na aula. Agora vou estudar de verdade, e estou deixando acumular trabalho. Bem... Vou incluir cerca de 30 minutos a uma hora só de articulação.

Como já disse, hoje o estudo se resumiu a isso.
Na aula, só foi pedido o Moto Perpetuo com esta articulação e pelo que entendi as coisas funcionaram.

Para a próxima aula é que as coisas vão complicar, este diário irá revelar esta mudança.
Tenho de estudar a Sarabanda da Sonata No. 1 de Bach, a Giga da Partita No. 3 de Bach, Moto perpetuo de Paganini (estudo paralelo de menos de uma hora com variações de acentos e células rítmicas, inteiro), Schradieck e Flesch Urstudien (primeiros momentos do estudo de técnica básica e pura), Kreutzer No. 2 e 3 (inteiro ao estilo de preparo para repertório de concerto), Vibrato (a nova maldição, depois do terceiro dedo, não tão nova mas agora com enfoque único), variações de arco sobre Kreutzer No. 2 (como estudo preparatório, primeiras horas de estudo).

Bem... Isso já dá umas 5h... E ainda não contei a sonata barroca que ainda vou escolher, e a única dica que eu tenho para influenciar em minha escolha é: "Fácil".

É claro que isso torna as coisas mais simples, mas já é trabalho suficiente. O que é ótimo, assim não tem como ter preguiça. Não tenho mais a mesma cara de pau de chegar tudo meio pela metade.

Alexandre nesta aula parece ter me incentivado fortemente a seguir a minha paixão pelo palco e assim que tiver um repertório básico para apresentação e eu estiver seguro, vou poder sair tocando todo fim de semana por Salvador e arredores.
Aí as coisas começam a ficar interessante, sinto-me mais músico quando posso fazer barulho em outro lugar que não seja meu quarto.

Acho que é o suficiente, hoje eu deveria ter estudado mais... Muito mais, para já ir adiantando o trabalho da semana, devido a semana ser bem corrida. Mas desta vez de fato muito coisa tem cooperado para não estudar, acho que foi o único dia em que não sou de fato todo culpado de não estudar muito.

Ainda sim, poderia ter aproveitado melhor as horas pós-aula. Continuo a perder tempo com coisas sem importância, tenho de lembrar que serei cobrado por estas horas que jogo fora, e não será nem pelo meu professor, nem pelo meu público, mas sim por Aquele que me concedeu desta vida.

Como posso manter uma rotina de estudo suficiente (mínimo de 5h), leitura (1h a 2h), exercício físico (1h), mais a atenção que tenho que dar a outras matérias...
De fato o dia encurta, e eu ainda consigo perder tempo...
Enfim, de nada adianta eu reclamar, o melhor é afundar o violino no pescoço e fazer logo esse meu estudo.
Pelo menos fiz grande progresso em aproveitamento do dia, mesmo com todos os poréns...
'Porém' creio que regredir neste quesito fosse de fato impossível, levando em conta o estado em que se encontrava.

Obs.: Estudar! Resistência, não se vencer pelo cansaço.

domingo, 8 de abril de 2007

8 de abril de 2007

Não redigi ontem, pois o dia não merecia narrativa. Hoje também não o merece, mas não quero acostumar-me à omissão.

De fato não tenho nenhum gene que me faz de um simples garoto a um garoto predisposto a tocar um instrumento. Sim... Minha indisciplina tem me vencido constantemente. Acho que sou o único dos estudantes de violino que tem preguiça de estudar. Não é possível. E o pior não é ter preguiça e sim dar atenção a esta preguiça.

Mas hoje, no pouquíssimo tempo de estudo que fiz... Porém objetivo (e coloco a prova tal objetividade porque mesmo sendo objetivo, não fiz nem um terço do que deveria fazer hoje).

Consegui fazer um progresso muito legal na articulação e continuidade do movimento de preparo e queda dos dedos da mão esquerda...
Foi a primeira vez que senti isso...
Espero que isso ao menos se mantenha amanhã, para que eu possa aprimorar e acostumar mais sem ter que fazer toda a pesquisa novamente.

De fato, tenho que levar a coisa mais a sério. Minha aula é amanhã, não me sinto preparado, tenho as horas anteriores a aula para se preparar, mas não se compara a uma semana de estudo.
Espero que algo realmente aconteça e adie minha aula. Mas vou estudar até as minhas últimas forças amanhã. E de bom, que fique só a lição de que se a primeira coisa que você faz na primeira quantidade de tempo que pode escolher o que fazer não é estudar violino, saiba que vai terminar o dia frustrado e arrependido.

Estudo de hoje: Articulação de mão esquerda, Moto perpetuo (ma non troppo, ra~eorariaõriarie) exercícios de arco (variações sobre o Kreutzer No. 2), corda solta.

Observações:
- Comprar novas cordas, a corda lá já está com as distâncias deformadas e um som horrível, as outras não estão cooperando com o progresso também.
- Como você pode querer ter um vibrato se não trabalhar para isso? Preciso realmente cansar a mão fazendo estes exercícios, e fazê-los TODOS e TODOS OS DIAS.

Fui vencido pelo meu pensamento curto e retardo, e pelo meu grandioso talento para o regresso, mas prometo mudanças... Não quero morrer de fome.